BID da CBF – Saiba como funciona o sistema resumidamente

Plácido vence Vasco e mantém 100% no Campeonato
28/02/2017
A Campanha do Plácido de Castro FC no Estadual 2017!
28/02/2017

Vocês já devem ter percebido ou até passado nervoso com o famoso BID da CBF. A sigla representa Boletim Informativo Diário e um atleta profissional tem que constar nele para ter condições de jogo. Já aquele denominado amador, precisa apenas estar regularizado junto a Federação de seu estado.

OBS: Atleta amador – Até 5 podem ser utilizados no profissional por jogo até um dia antes de completarem 20 anos. Posteriormente, podem ser convocados para jogos do Sub-20 até o final da temporada vigente. Entretanto, não existe limitação de contratos profissionais em um mesmo jogo para a base.

Até agora, tudo parece fácil, correto? Se constar lá joga, caso contrário, precisa esperar. Errado, afinal os times no Brasil são os que mais perdem pontos no mundo, por escalação irregular de jogadores.

Muitas vezes, os times até conseguem fazer a coisa certa no BID, mas ficam “atados” em relação ao Regulamento Geral das Competições de cada estado, pois essas exigem alguma antecedência para entrar no sistema. Isto é de difícil controle, vimos recentemente o caso do Vasco.

Existem outras situações, onde a consulta a própria Federação é complicada, pois o Regulamento específico da competição é diferente do Geral, por exemplo, um fala constar no BID 48 horas antes, o outro 72 horas.

Já quando falamos em demora para inscrição, como foi o Thiago Neves, existem dois possíveis desencontros: As documentações liberando o atleta de outro clube ou país e os gastos para liberação.

As taxas relacionadas a própria Federação via CBF, mais 0,5 % do salário para o fundo de aposentadoria do jogador e a duração do contrato ou renovação pelo valor de mercado podem gerar variações financeiras.

No ano de 2015, a média de custo para cada jogador do Santa Cruz, gira em torno de R$ 10 mil reais, já o Sport tinha esse “preço” um pouco mais elevado.

É complicado, não é? Por isso, toda atenção é pouca!!

Já aconteceu em anos anteriores, jogo de um minuto no Candangão, quando o Ceilândia só inscreveu 11 atletas para a partida inaugural e seu adversário, 7. Quando, a bola rolou, um jogador do Paracatu passou mal e a partida foi considerada WO. Na época, os times até tentaram abrir uma exceção, mas alguns outros participantes vetaram.

Este ocorrido, não foi fruto de desorganização, mas sim de uma “pane” no novo sistema.

1 Comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *