Sem interesse? Média de Público caiu no Futebol Europeu 2017!
01/07/2017
Paulista de Base – Uma Rodada para a próxima Fase!
02/07/2017

Stephanie Figer, atua no grupo Figer, um dos principais a nível futebol mundial e nos concedeu a honra de ser a entrevistada do mês de Julho.

Mostrando poder, conhecimento, inteligência e serenidade, Stephanie Figer, representa a força e o desenvolvimento das mulheres no âmbito esportivo, compartilhando suas ideias e cuidados em um planejamento empresarial com mais de 45 anos em atividade.

O conteúdo dessa entrevista exclusiva, nos faz enxergar os cuidados que uma família ou atleta precisa ter na hora de aceitar o gerenciamento de carreira, assim como a atenção para não “cair na conversa” de golpistas.

Para o portal Mazzuia, o aprendizado desta interação, se dá em uma espécie de contramão positiva do futebol: Cada cliente é tratado de forma única; a gestão de pessoas não ocorre em “massa”, onde o profissional se torna apenas uma peça de engrenagem no artigo indefinido, mas sim é enxergado como a principal ferramenta de um clube ou empresa, respeitando portanto, o indivíduo como ser humano.

Stephanie, Muito Obrigado por atender nossa solicitação e parabéns pelo excelente trabalho que o Grupo Figer tem feito com mérito, decência e profissionalismo no meio do futebol.
Eu que agradeço a oportunidade de compartilhar com vocês um pouco do meu dia a dia, além dos bastidores do mercado do futebol.

O Grupo Figer é uma referência no futebol, portanto trabalha com os melhores atletas do mundo. Como é feita a busca para encontrar esses jogadores? Quais são os campeonatos mais interessantes para assistir nas Categorias de Base e Profissional?
A captação de atletas no Grupo Figer é feita através de observadores terceirizados e fixos da empresa. Eles têm a função de avaliar a parte técnica do jogador, nos fornecer relatórios e normalmente agendar a primeira reunião do atleta e família com a parte comercial do Grupo Figer.
Esses observadores estão espalhados pelo Brasil e ouros países da América do Sul como Uruguai, Argentina etc. Eles acompanham os principais campeonatos de cada categoria (Sub 17, Sub 20 e profissional), além de assistirem a alguns treinos em clubes que temos maior acesso.

Poderia nos contar sobre as características técnicas dos jogadores que buscam e também dos perfis de profissionais das demais posição que trabalham? (Técnicos, Analistas, Auxiliares etc).
O Grupo Figer busca atletas de alta performance e rendimento. Trabalhamos com clubes de ponta no mundo todo. Sendo assim, buscamos as seguintes características em atletas:
Percepção espacial, velocidade de raciocínio, reação, ações motoras e execução do movimento, memória, performance no passe e condução de bola, ambidestria, precisão nos chutes, percepção do alvo e do goleiro, deslocamento em campo, procura de espaços vazios, comunicação, percepção e atenção.
Quanto a Comissão Técnica, buscamos trabalhar com profissionais que possuem como principal característica a liderança. O profissional deve ser didático, planejando e adaptando os treinos conforme a idade de seus atletas e as qualidades por ele revelada.
Buscamos também, perfis que conversem com os atletas antes e após os jogos, realizem estudos sobre possíveis adversários, aconselhem os jogadores sobre seus comportamentos em campo e que tenham um breve conhecimento da vida deles extracampo.


Como este site recebe visitas de diferentes perfis do futebol (torcedores, empresários, investidores e membros de comissões técnicas), certamente que eles estão curiosos por conhecer os destaques do Grupo Figer. Caso não seja injusto, pode citar alguns casos?
Ao longo de 45 anos, o Grupo Figer foi responsável pela transferência de diversos atletas do mercado brasileiro e internacional como: Robinho (do Santos para o Real Madrid), Ricardinho (do Corinthians para o Besiktas), Edu Gaspar (do Corinthians para o Arsenal), Casemiro (do SPFC para o Real Madrid), Edu Dracena (do Cruzeiro para o Fenerbahçe), Juan (do Flamengo para o Bayer Leverkusen), Danilo (do Santos para o Porto), Roberto Carlos (da Inter de Milão para o Real Madrid) entre outros atletas.
O Grupo Figer atua estrategicamente no desenvolvimento da carreira dos atletas que representa, personalizando o trabalho de acordo com a necessidade individual de cada atleta, ou seja, buscando no mercado do futebol as melhores oportunidades para a ascensão de sua carreira.
O projeto contempla casos que vão desde as categorias de base ou atletas profissionais, acompanhando e atuando durante toda a sua carreira, inclusive planejando o seu encerramento e continuidade no mercado seja como comentarista, treinador, intermediário etc.
Os principais atletas que tiveram suas carreiras geridas pelo Grupo Figer foram: Zé Roberto, Júlio Baptista, Diego Lugano, Alex de Souza, Hulk, Dunga, Muller, Silas, Ricardo Rocha, Diego Aguirre, Fábio Aurélio, Alex Silva, Marlos e Thiago Ribeiro.


Nosso portal Mazzuia.com recentemente criou um canal com jogadores que buscam uma oportunidade e são enganados por falsos empresários, depositando valores e realizando viagens. Entretanto, os clubes “prometidos” sequer sabem do agendamento da avaliação. Como os garotos e familiares podem se precaver? Quais são as principais informações a serem buscadas para averiguar a veracidade desses convites?
Os garotos e familiares têm por obrigação verificar no site da CBF se o intermediário em contato com ele está cadastrado de acordo com as exigências do Regulamento Nacional de Intermediários.
Esse cadastro é burocrático e exige diversos documentos, que vão desde cópias autenticadas de documentos pessoais até uma cópia da apólice de seguro de responsabilidade civil, um dos requisitos para a obtenção de registro.
Normalmente os intermediários cadastrados possuem boa conduta e dificilmente vão correr o risco de atuar de forma errônea ou ilícita.


Ao trabalhar com jogadores de diferentes nacionalidades, existe algum ponto para o atleta brasileiro mudar urgentemente em seu comportamento dentro e fora de campo? Nos casos daqueles que optam por seguir uma carreira na Europa, existem diferenças nos perfis desejados nas principais Ligas do Mundo? (Alemanha, Espanha, Itália, Inglaterra, Portugal etc)
Hoje em dia os clubes internacionais, principalmente os europeus, monitoram os jovens das categorias de base e acompanham a evolução técnica dos mesmos.
Uma vez que esses atletas são confirmados como grandes jogadores no time principal, a maior dúvida que o clube de fora tem é no comportamento e perfil do atleta extracampo.
Atualmente é quase impossível omitir, ocultar ou camuflar informações do perfil, personalidade e rotina de um atleta, uma vez que a maior parte se expõe nas redes sociais e pelo fato deles tirarem informações com pessoas chaves que irão dizer como de fato o atleta é.
Diante disso, o perfil que a maioria dos clubes busca são atletas centrados, confiantes, dedicados, disciplinados e respeitosos. Aqueles que já são casados e com família tendem a ser mais caseiros e aproveitam o tempo ocioso para descansar. Já os solteiros, normalmente, possuem uma vida noturna mais agitada e isso algumas vezes acaba prejudicando o rendimento em campo.


Constantemente muitas pessoas além do sonho de jogar, também possuem o desejo de se tornarem agentes, mas é uma função que requer conhecimento e inteligência. Quais os cursos ou o melhor caminho para atuar na função?
Qualquer pessoa física ou jurídica pode ser um Intermediário de Futebol cadastrado na CBF. Para isso é necessário passar por alguns critérios essenciais, porém, não há uma prova que examine o conhecimento da pessoa sobre o tema.
Mesmo assim, de nada adianta ser um Intermediário de Futebol cadastrado na CBF e não compreender o funcionamento do mercado, mesmo possuindo os contatos necessários para atuar no mesmo. Sendo assim, os cursos na área são de suma importância para melhorar a qualidade técnica do profissional.
A CBF e FPF oferecem excelentes cursos como o gestão, direito, técnicos e licenças.


As mulheres têm conquistado um espaço muito grande no futebol. Isso é ótimo, porque na nossa visão deixa o esporte mais eclético, respeitado e principalmente organizado. Recentemente, assim como você, Rafaela Escalante, presidente do Plácido de Castro/AC e Renata Gusmão, vice-presidente do Pesqueira/PE, conseguiram destaque por um bom trabalho ministrado. Existe uma tendência para o mercado futebolístico ter a presença de mais mulheres? Há ainda algum tipo de visão preconceituosa ou retrógrada a ser enfrentado?
Acredito que exista uma maior abertura e receptividade para as mulheres atuarem no mercado do futebol. Competência, inteligência, dedicação, descrição e postura são características fundamentais para um bom trafego nesse mercado que ainda é dominado pelos homens.
O preconceito existe, porém, as mulheres estão conseguindo quebrar as barreiras das desigualdades existentes na sociedade, assumindo cargos no mercado futebolístico, onde até poucos anos eram ocupados somente pelos homens.
Nos dias atuais, há belos exemplos da competência feminina em postos de direção no futebol nacional e internacional, como a russa Marina Granovskaia, que atua como ‘os olhos e os ouvidos’ de Roman Abramovich no Chelsea, a presidente do FC Basel, Gisela Oeri que comanda o clube suíço de futebol mais bem-sucedido no exterior. Na América do Sul podemos citar a recente notícia de Isabel Peña, costureira de profissão, ser a nova presidente do Rampla Juniors Fútbol Club e a primeira mulher a assumir um clube da Primeira Divisão do Uruguai. No Brasil, o Fluminense tem uma mulher no seu comando, Roberta Fernandes, diretora executiva geral do clube.


Recentemente a FIFA realizou algumas alterações nas leis de registro de contrato dos atletas e restrição a grupos de investidores nos direitos sobre jogadores. Quais foram essas mudanças? Isto afetou positivamente ou negativamente o ramo empresarial?
Em 2015 a FIFA anunciou que não seria mais permitida a presença do TPO (third-party ownership, ou divisão dos direitos econômicos com terceiros) nos contratos dos jogadores. É considerado terceiro, qualquer um que não seja um clube. Os empresários e grupos de investimento, portanto, não puderam mais ter propriedade sobre passe de atleta de futebol. Pode-se continuar intermediando transferências e recebendo comissões por isso.
De maneira prática para os clubes, os direitos econômicos deixam de ser uma fonte de recursos antes de negociar totalmente o jogador, causando um grande impacto na forma que muitos times equilibravam seu orçamento.


Como funciona o site e projeto Sou Futebol? (www.soufutebol.com.br)
O site Sou Futebol entrou no ar em setembro de 2016 e tem por objetivo divulgar e captar os novos talentos. O Grupo Figer sempre foi pioneiro no mundo do futebol e essa nova ferramenta nos ajuda a garimpar novos talentos oferecendo a oportunidade para que os garotos mostrem o seu jogo tanto no site quanto nas peneiras presenciais.

Obrigado mais uma vez e nosso portal tem total admiração por você e pelo Grupo Figer, classificando o desenvolvimento feito no esporte a nível mundial como brilhante!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *