Para fechar a Série: Copa SP Juniores – Grupos 29 a 32

Desvendando – Conheça os Grupos 26 até 28 da Copinha 49ªEdição
02/01/2018
Assista aos Jogos da Copa SP Juniores “não transmitidos”
03/01/2018

Mesmo com o início da competição, nosso guia termina na hora certa, na famosa expressão “aos 47 do 2ºTempo”, porque ainda não ocorreram partidas pela Copa SP Juniores – Grupos 29 a 32!

Nota: O Grupo 23 tem novo integrante: União Barbarense. A equipe até tentou participar em um primeiro momento, mas os custos para ser sede inviabilizaram a disputa.
Seguindo o regulamento, nenhum jogador de fora pode ser inscrito, apenas quem já estava vinculado entre Outubro / Novembro.

O único problema é que apenas os jovens que treinavam junto do profissional estão em ritmo, os demais estavam passando férias em casa. Foi uma atitude corajosa para o bem do futebol! 

Grupo 29 – Estádio Antônio Soares de Oliveira
Flamengo
A equipe do Corvo foi rebaixada na Série A3 e ficou na últimas colocação de seu grupo, contudo, foi competitiva jogo a jogo, apesar da pouca eficácia.
Nas duas últimas edições, o Fla avançou, o que deu ânimo para o Rubro Negro; até pouco tempo atrás, seu Sub-20 era o Corinthians B, logo o histórico era melhor.
Para o clube se reerguer, precisará desenvolver de forma emancipada suas camadas jovens.
Guarulhos
Uma sede com “dois donos”, é assim que o Guarulhos tentará encarar a competição, de forma similar a 2017, quando ficou de fora pelos critérios de desempate.
O conceito de jogo é propô-lo através de passes curtos e construção, mas uma defesa frágil e pouca qualidade individual, talvez não favoreça a essa forma de pensar.
Na 2ªDivisão Sub-20, o ADG chegou até a Semifinal. No futuro, os resultados serão melhores, pois a agremiação trabalha certo e desenvolve seus garotos desde os 11 anos de idade!
Goiás
Já chegou a final em 2013 e tem bom histórico de classificações na Copinha, onde nessa chave é o favorito para o 1ºlugar.
A preparação foi melhor do que seus concorrentes: Título do Goiano Sub-19, 2ªFase da Copa do Brasil Sub-20 e participação no Brasileiro Sub-20.
Sete de Setembro-AL
O título do Alagoano frustrou muito clube grande e tradicional de seu estado, mas a 3ªparticipação não é por acaso, a equipe é muito bem organizada, mesmo sem nunca ter passado de fase.
As poucas informações, podem ser um ponto forte para o Sete, que também chegou a final da categoria Juvenil.

Grupo 30 – Estádio Francisco Ribeiro Nogueira
União Mogi
Presentes na Copinha de forma ininterrupta pela 3ªvez, os donos da casa sonham com uma classificação surpreendente.
Nas últimas edições, o clube de Mogi das Cruzes enfrentou Flamengo, Cruzeiro, Bragantino e outros tradicionais, morrendo na 1ªFase. No Estadual, ficou nas Oitavas por 2 anos consecutivos.
As apostas dessa edição certamente são do próprio município, já que a agremiação não tem o hábito de alojar atletas.
Grêmio
Já foi finalista, mas ao lado do Palmeiras nunca venceu a competição e agora quer repetir façanhas memoráveis, assim como do seu time Profissional.
Para o tricolor gaúcho é melhor esperar, antes de dizer que é favorito: Eliminado nas Quartas do Estadual pelo Aimoré, lanterna do seu grupo na Copa RS, 2ªFase do Brasileiro Sub-20 e 1ªFase da Copa do Brasil.
Bragantino
A equipe da Terra da Linguiça tem parte de sua base gerida por terceiros (empresários) ou as forma através de Projetos Sociais. Sem um recente histórico de classificação no Estadual, a última Copinha é a inspiração dos garotos: Chegaram até as Quartas, depois de ganharem a Copa Ouro, que era um torneio preparatório do estado de São Paulo.
Esse ano, a forma de jogar foi bem fechada, esperando contra-ataques, mesmo em desvantagem no placar.
Alguns garotos foram vendidos, depois da boa campanha mencionada.
Trindade-GO
Não é nenhuma surpresa se os goianos avançarem. Vice campeões de 2017 e 2015, título invicto em 2016 e a segunda participação consecutiva, na expectativa de melhor a campanha do ano passado, quando chegou a 2ªFase.
O técnico Raphael Miranda, recebeu até a visita de Wendell Lira, homem do Prêmio Puskas. Da lista final, 18 atletas ainda terão mais oportunidades de jogar o torneio!

Grupo 31 – Estádio Nicolau Alayon
Nacional
A equipe da capital costuma ser sede, de vez em quando (2014 e 2017) até costuma passar de fase, mas não consegue exibir um bom nível técnico, fator que culminou com suas eliminações no Estadual ainda em um estágio inicial.
Para se ter ideia 13 vitórias, 9 empates e 42 derrotas em jogos oficias da categoria entre 2015 e 2017, colocam em dúvida o sonho do elenco: Repetir o tempo áureo de títulos 1972 e 1988 ou pelo menos as finais de 69 e 2005.
Santo André
A equipe conta com técnico novo para a Copinha, Zé Carlos Palhavan. O experiente técnico tem bons feitos nas categorias de base, como chegar as Quartas com o Paulista de Jundiaí Sub-17 e o título da 2ªDivisão Sub-20 em 2017 pelo XV de Jaú.
Um desafio para seu staff era organizar a defesa durante a pré-temporada. O Ramalhão que já ganhou Copa do Brasil e disputou Libertadores, também teve seu ano de glória na Copinha: Foi campeão em 2003.
O clube se classificou nas edições 2016 e 2017, mas em ambas saiu nos pênaltis. Já no Estadual ficou na 1ªFase.
ABC
O descenso para a Série C e uma grave crise financeira deu espaço para seus talentos da base no Profissional, enfraquecendo o grupo da Copinha.
O alvinegro potiguar já conseguiu avançar de fase com a pior campanha de um classificado na história: 2 pontos ganhos em um grupo recheado de empates.
No Estadual ficou em 3º, acabou eliminado na Semi pelo Globo.
Será que a sorte faz o ABC avançar misturada com competência e dedicação?
São Paulo-AP
Com tanto clube, quem diria que em 2017 o único estado sem representante fosse o Amapá? Pois é, o São Paulo perdeu o prazo de inscrição e um clube de outra região entrou em seu lugar.
O campeão amapaense não deu mole dessa vez; treinando desde Outubro, uma seletiva com 40 atletas formou a lista final do técnico Aldemir Pitopô!
O elenco com 25 atletas, ficou junto desde Dezembro e a equipe viajou dia primeiro de Janeiro para jogar o torneio.

Grupo 32 – Estádio Canindé
Portuguesa
A Portuguesa já teve uma base muito boa, possibilitando brigar por títulos inclusive da categoria profissional.
Sem passar de fase desde 2014, a Lusa é a dona da casa e quer repetir o feito do Estadual, quando se classificou em 3º e empurrou o Santos fora do G4.
América-MG
O campeão da Série B, não teve o mesmo ímpeto na base, quando ficou na 1ªFase em 2017, acabou em 5ºLugar apenas no Campeonato Mineiro, ficou fora da Copa do Brasil Sub-20 ainda na 1ªFase.
A equipe do Coelho busca se reencontrar na competição, lembrando de 2016, onde foi semifinalista.
Remo-PA
Um grupo com muita tradição, mas faltando “cancha”. O Juniores acabou eliminado na Semi para Tuna Luso, logo a Federação Paraense usou o bom desempenho do Sub-17 como critério para convidar o clube; aliás a última participação foi em 2014.
O treinador João Neto quer aproveitar o talento do Juvenil e mesclá-los com os mais experientes, para talvez, atingir uma classificação.
Teixeira de Freitas-BA
Esse é aquele time que sequer teve campo para treinar, portanto de volta ao futebol profissional em 2016, vê na Copinha uma esperança de dias melhores.
O 4ºlugar no Estadual, causou espanto pelas condições precárias, logo a humildade prevalece no clube, que por essas e outras, já ganha espaço no coração de outros torcedores.
O sacrifício fez com que o plantel comemorasse a virada de ano novo na estrada, a caminho da capital paulista, mas nesse tão sonhado momento da estreia, superar o cansaço da viagem não será difícil, a alguém que já passou por tantos obstáculos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *