Leo Samaja – Entrevista exclusiva sobre as Licenças de Treinadores da ATFA

Jovens Promessas ou Atletas Tardios? Conheça uma pequena lista desses talentos
12/03/2018
Álbum de Figurinhas da Copa do Mundo 2018 – Panini realiza lançamento!
13/03/2018

O portal Mazzuia.com tem orgulho de conversar com o Coordenador e também treinador profissional, Leo Samaja, formado pela ATFA – Associação de Treinadores do Futebol Argentino que promove cursos nas mais variadas áreas desse desporto, formando cerca de 1.000 treinadores por ano.

Leo Samaja, agradecemos a oportunidade da entrevista e as informações sobre o futebol argentino.

Poderia nos contar um pouco da sua trajetória como treinador e agora como coordenador da ATFA?
Boa noite. Sou eu quem agradeço pelo espaço e o interesse em compartilhar conhecimentos e novas ideias com nossos colegas do mundo bola.
Iniciei minha carreira como treinador nas categorias de base no futebol Argentino em 2006 como treinador principal, passando pelo sub-15, 17 e 20. Anteriormente colaborei em diferentes comissões técnicas profissionais na área de inteligência e análise. Desde 2014 colaboro com a ATFA, escola de treinadores da Argentina que depende da AFA e é considerada hoje como um Núcleo Formativo Conmebol, coordenando os cursos da Federação em Português e Inglês. Tratando-se de um curso que pode ser realizado de forma online e é habilitante, não tem fronteiras, sendo um trabalho que exige muito e representa uma grande responsabilidade.


Atualmente o nível do Campeonato Argentino é muito forte, principalmente após a reformulação, onde existem mais participantes no torneio e uma Copa Argentina. Como funciona o calendário e as competições no país?
O Campeonato Argentino realmente é muito disputado e o nível dos treinadores faz com que a dificuldade seja maior ainda. Atualmente estamos com um calendário apertado pelo formato da Super Liga, com 28 equipes disputando o torneio de Série A, lutando pelo título assim como também pelo acesso a diferentes competições internacionais. O calendário é anual, e está espelhado nas Ligas Européias finalizando no verão europeu (inverno no nosso continente).
O nível acadêmico que vêm mostrando nossos treinadores se vê evidenciado na variedade tática que se observa entre as diferentes equipes, assim como no desenvolvimento parelho que é registrado nas categorias de base.
É habitual no futebol, em países menos desenvolvidos em matéria formativa, ver como em um mesmo torneio a grande maioria das equipes apresenta o mesmo modelo tático. Por exemplo, a moda era 4-3-3, todos no mesmo esquema. Logo após, 4-1-4-1 e todos pra lá. Mais recentemente o 4-2-3-1 e lá vão todos perseguindo a cenoura. Em nosso futebol se observam diferentes esquemas táticos, estratégias variadas dependendo do adversário e do esquema enfrentado, há muita criatividade neste sentido, o que o torna um campeonato atrativo e hoje acompanhado no mundo inteiro.


Já citando sobre o bom nível que falamos a pouco, na sua opinião, a qualidade e organização das equipes, acontecem por causa da exigência local, onde todos os treinadores devem ter formação para atuar? Poderia nos explicar, por favor, como funcionam as Licenças, tempos de curso, provas?
A formação sem dúvidas é a base de todo progresso. As coisas não acontecem por acaso, e muito menos da noite pro dia. Os cursos da ATFA são obrigatórios desde 1994 (e existem desde os anos 60). Nenhum treinador pode entrar em campo sem contar com a habilitação. E essa habilitação obrigatoriamente exige um tempo longo de estudo e cobranças. Anteriormente o curso levava dois anos. Atualmente são três anos para alcançar a Licença PRO. Todos iniciam pela primeira Licença (Licença B – realizado junto com a Licença C -) através de 13 meses de curso online e devendo realizar a prova presencial em Buenos Aires de cinco dias. Logo após, com a Licença B em mãos, poderá iniciar a Licença A (12 meses de curso online) e finalmente a Licença PRO (11 meses de curso online). A ATFA não avalia currículos, nem experiência prévia no ambiente do futebol (da mesma forma ocorre na Europa, todos iniciam pelo primeiro degrau). Para chegar à Licença PRO deve-se iniciar pelo primeiro nível obrigatoriamente, sem exceções.

A ATFA atualmente não desenvolve o conteúdo dos cursos por palestras longas, preferindo atividades mais curtas, porém distribuídas ao longo do calendário. Por que acreditam nesse modelo?
O Departamento Pedagógico e Acadêmico não acreditam no modelo de palestras, onde as pessoas são expostas a uma quantidade de horas corridas ouvindo discursos que muitas vezes acabam sendo improvisados fazendo com que o objetivo não seja alcançado. Isto segue uma regra simples. O tempo de concentração eficiente e efetiva de um adulto é medível. Após esse tempo, muito pouco fica, e menos ainda é aproveitável.
Na ATFA quem administra o tempo é o próprio aluno. Ao longo desses três anos, o aluno deve estudar cada semana uma apostila diferente, realizar uma exercitação e completar uma prova online cronometrada. Os prazos de vencimento das atividades são claros, definidos com antecedência e não são flexíveis. A rigorosidade é grande, assim como a cobrança. Por essa razão, o prestígio que conquistou nossa Escola no mundo do futebol é inquestionável.
Os cursos seguem o modelo educativo que está em vigor na Argentina (a nível formativo médio e universitário), contando com métodos avaliativos similares aos cursos de certificação internacional (ISO, CIA, CISA, etc.) que são realizados no mundo profissional onde a exigência e cobrança tomam conta do modelo.
Entendemos que a única forma de determinar se um aluno assimilou e internalizou os conteúdos estudados é através de provas e trabalhos. A nota mínima obrigatória é 6 (seis sobre dez), e quem não atinge essa nota em cada exercitação e exame deve repetir a matéria.


Durante as Licenças de Treinadores, existem as atividades práticas e alguns treinos que precisam ser filmados com o próprio candidato a treinador, tendo seus treinamentos gravados. Isso é sinal que a ATFA não quer formar por quantidade, sim pela qualidade. Como são realizadas as tarefas mais voltadas as práticas?
O curso na modalidade online exige prática profissional, determinados exercícios filmados pelo próprio aluno para desenvolver diferentes pautas (em momentos concretos do curso), ademais dos trabalhos escritos que devem apresentar toda semana. Nesses trabalhos, o aluno coloca em prática os conteúdos aprendidos nas apostilas semanais (no idioma do aluno) e para encarar as matérias práticas de campo conta com ferramentas de desenho e vídeo análise dentro da Plataforma Educativa, além de ter a possibilidade de fazer uso de uma ferramenta externa como é o TacticalPad, empresa com a qual CVA ATFA (Campus Virtual ATFA) fez parceria ano passado e oferece a nossos alunos e membros uma Licença anual por um valor diferenciado. Mas aqueles alunos que não desejam adquirir o produto realizam as atividades na ferramenta do Campus.
O objetivo da ATFA não é comercial, por essa razão não investe em publicidade. O propósito de nossa escola é continuar formando os melhores treinadores. O mercado observa e respeita nossa Escola porque contamos com uma bagagem adquirida de muitos anos. Além disso, nossos professores participam obrigatoriamente de todos os congressos de futebol realizados no mundo e isso faz com que permanentemente o Plano de Curso seja atualizado e aprimorado.
Não existem restrições. Qualquer adulto maior de 18 anos que contar com Ensino Médio completo pode realizar os cursos da ATFA e adquirir uma Licença de nossa escola, sempre que esteja disposto a estudar, e muito. A ATFA não faz sua aposta em ex-atletas. Qualquer pessoa que cumpra com estes requisitos poderá iniciar esta carreira. O caso mais recente de um profissional que não vem do mundo do futebol é Ariel Holan, treinador campeão da Copa Sulamericana com Independiente. Com 50 anos, entrou no futebol há pouco mais de 10 anos após realizar o curso e hoje os resultados acompanham seu esforço.


 Muitos treinadores formados na ATFA já atingiram sucesso mundial, fazendo assim uma referência de estudos para quem quer se tornar técnico. Poderia mencionar alguns desses nomes?
Por ser um curso obrigatório há mais de 20 anos, todos nós treinadores argentinos, somos formados pela ATFA. Treinadores como Diego Simeone, Marcelo Bielsa, Jorge Sampaoli, Tata Martino, Eduardo Berizzo, Matias Almeyda, dentre tantos outros que nos representam no mundo e se destacam nas maiores ligas do planeta. Nossos treinadores saíram de nossa escola, conquistaram seu espaço no futebol Argentino, e com dedicação foram encontrando seu lugar na Europa.
Muitos de nossos atletas ainda em atividade completam o curso online para ganhar tempo, já pensando no futuro após a aposentadoria. Javier Mascherano, Pablo Zabaleta, recentemente Andrés D’Alessandro, Martín Demichelis, Lucas Pratto, são só alguns casos de renome. Mas é uma prática habitual no futebol argentino há muitos anos. A Educação é obrigatória nos clubes (ensino fundamental e médio) para os atletas de base que permanecem no país, e isso permite que esses profissionais tenham uma base sólida formativa sobre a qual continuar construindo através da ATFA.


Uma pergunta que gera “polêmica” por causa da falta de conhecimento de profissionais dos outros países. Hoje, quem tem a Licença da ATFA pode trabalhar em quais países ou continentes? Como funciona para atuar nos países da Europa (UEFA)?
A ATFA foi recentemente declarada como Núcleo Formativo Conmebol, habilitada para entregar Licenças Conmebol através de nossos cursos. Cada país tem sua própria Licença que é nacional, e logo após cada Federação no mundo é responsável por aceitar ou não uma Licença de outro país. Não existe uma Licença que habilite mundialmente como se fosse uma carteira de motorista, mesmo porque a FIFA não chancela Licenças de treinador. Por essa razão, a responsabilidade cai sobre cada Federação. E essa aceitação passa a ser subjetiva, com base no prestígio, na confiança, etc. Nossa escola vem tendo aceitação há anos, e prova disso são nossos treinadores trabalhando no mundo inteiro.
Ouvi já alguns profissionais, que por sua vez ouviram de outros em determinados círculos (mal intencionados ou por simples ignorância) que nossos treinadores trabalham na Europa porque realizaram ademais cursos na UEFA. Nossos treinadores vêm sendo aceitos sem necessidade de fazer os cursos UEFA, cumprindo com as exigências impostas pela UEFA para treinadores estrangeiros não formados na UEFA. Não tomamos a sério esses questionamentos mal intencionados porque são sempre nas sombras, e nunca de forma pública. Só entre quatro paredes. Até hoje não forneceram nenhuma prova que demonstre que, por exemplo, Sampaoli antes de assumir o Sevilla completou o curso europeu descendo do avião (risos).


A preocupação da ATFA também aborda cursos em outras áreas do Mercado Futebolístico. Como funcionam as certificações para área de Análise de Desempenho, Preparação de Goleiros e Preparação Física?
A ATFA oferece as Licenças de Goleiro (Licenças B e A), de Análise de Rendimento e Treinador de Futsal. Esta última é uma das últimas carreiras que fazem parte da transformação do nosso futebol. E como resultado do esforço, dedicação e estudo, o título mundial alcançado pela Seleção Argentina recentemente no Futsal demonstra que o caminho é o acertado.
Preparação Física está em mãos de outra Escola, a APEFFA (Associação de Professores de Educação Física do Futebol Argentino). Esta instituição é a responsável por formar e habilitar os Preparadores Físicos no nosso futebol.

Pelo sucesso mundial, fruto do esforço e profissionalismo dos membros da ATFA, o número de alunos estrangeiros tem aumentado? Quantos são aproximadamente?
O número é grande. Temos muitos alunos da Colômbia, Equador, Peru, Chile, assim como de países onde o futebol está em pleno desenvolvimento, como ser Canadá, Estados Unidos, Costa Rica, Honduras, Austrália, Índia, dentre outros. Muitos atletas ainda em atividade das seleções nacionais dos países mencionados confiam na ATFA para sua formação integral. O Campus Virtual apresenta uma Plataforma muito simples e organizada. Os alunos encontram um curso bem estruturado, com as regras claras, e os compromissos definidos e publicados.

Há virtudes e dificuldades por parte desses alunos de outros países? Quais?
De forma geral, não existem dificuldades. No Brasil o processo foi um pouco mais complexo. Encontramo-nos com um público que apresenta dificuldades, sobretudo com os compromissos, assim como com as regras. No começo foi habitual receber reclamações de alunos que estão acostumados a encontrar um “jeitinho” para resolver as atividades fora de prazo, ou não conseguiam entender que para aprovar uma matéria deviam aprovar todas as atividades. A ATFA neste sentido não se adaptou ao território. Os alunos vão se adaptando aos poucos, sobretudo porque aqueles que vão iniciando o curso já chegam a nossa Escola por indicações, e essas indicações já fazem sua parte em antecipar as regras e metodologia.
Acredito que estas dificuldades sejam por um sistema que vem desse jeito desde pequenos, na escola. Tive meus filhos nestes últimos quatro anos estudando no Brasil, e o nível de exigência já no ensino fundamental e médio responde a esta questão. A ATFA não pode baixar o nível, e são os alunos que devem se esforçar dobrado para alcançar uma evolução. O resultado está sendo fantástico. Os alunos estão crescendo, se esforçando e alcançando resultados acadêmicos interessantes.


Por fim, agradecemos mais uma vez e encerramos com uma última pergunta: Quais são os projetos e metas da ATFA para o futuro?
As metas continuam sendo as mesmas: aperfeiçoar o Plano de Carreira permanentemente, e continuar formando os melhores entre os melhores.
Quero agradecer a você pela confiança e o espaço oferecido. Estamos sempre às ordens, sem reservas para oferecer informações simples e claras.

4 Comentários

  1. Edson Luiz pedro disse:

    Como faço para participar e o valor

  2. Thiago Soares dos Santos disse:

    Não ficou claro para mim, o Curso é aceito no Brasil? Se eu tirar as licenças pela ATFA, estarei habilitado a iniciar uma carreira no Brasil?

    • Ivan Mazzuia disse:

      A Licença da ATFA é reconhecida em todas as confederações continentais, assim como pela própria Conmebol, logo, se o Brasil passar a exigir esse certificado, hoje ainda não é obrigatório, a resposta será SIM!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *