Rui Silva – Entrevista com Presidente do CD Estrela

Atlético Acreano terá sua própria Base de Dados!
25/10/2018
São Francisco x Plenitude – Final inédita no Estadual Sub-15!
26/10/2018

O presidente Rui Silva, concedeu entrevista ao portal Mazzuia onde falou sobre o recomeço do CD Estrela, que seguirá o caminho trilhado pelo antigo Estrela da Amadora. Antes do conteúdo, é importante entender todo o contexto histórico.

O Clube Desportivo Estrela foi fundado no dia 28 de Setembro de 2011, para continuar uma trajetória brilhante e “quase que extinta”, do Clube de Futebol Estrela da Amadora, equipe tradicional nascida em 22 de Janeiro de 1932 e encerrada em 01 de Março de 2011.

Registrado em 1941, o Estrela da Amadora vivenciou as divisões distritais por 37 anos até subir a 3ªDivisão Nacional em 1978. Até estrear na Primeira Liga foram mais 10 temporadas, porém o lugar na elite estava consolidado, totalizando 16 participações.

O simpático Estrela da Amadora encantou seu país, conquistando a Taça de Portugal de 1989 / 1990 e por consequência jogando a Taça das Taças, torneio continental da época.

A região da Amadora tem 23,79 km², mas conta com mais de 175 mil habitantes, que jamais deixaram de olhar para o Estádio José Gomes na Reboleira, mesmo nos dias mais “sombrios” vividos a níveis de futebol.

Os tempos difíceis começaram em 2008 / 2009, quando o clube foi rebaixado, mesmo terminando em 11ºlugar, por razões financeiras. A despromoção ainda impedia o Estrela da Amadora de jogar a 2ªLiga.

Crises, greves e a dívida de 11,5 milhões de Euros levaram o clube a insolvência, algo “doloroso” para quem um dia teve 20 mil sócios.

Suas cores são inspiradas no Fluminense, que os recebeu muito bem no Rio de Janeiro (Brasil), 1951 cedendo 3 conjuntos de materiais esportivos, animando os sócios portugueses a adotar a ideia em definitivo.

O CD Estrela voltou com o projeto Escola de Futebol Tricolor em 2012, para em 2018 / 2019 atingir seu primeiro grande objetivo: Reativar a categoria principal, chamada de Seniores em terras lusitanas.

Ao contactarmos o clube para fazer alguma matéria e entrevista, fomos surpreendidos com uma recepção “5 estrelas” e o presidente, Sr. Rui Silva, assim como o departamento de comunicação e imprensa, prontamente nos atenderam, permitindo ao nosso humilde site, contar uma das histórias de superação mais magníficas do futebol europeu!

Presidente Rui Silva – Foto retirada do programa Reportv

Presidente Rui Silva, há muitos clubes na Europa com dívidas superiores aquelas que resultaram na insolvência do Estrela da Amadora. Foram uma sucessão de erros administrativos ou também existiu certa “falta de paciência” dos tribunais com o clube?
Foram certamente atos de má gestão financeira constituindo alguns, pensamos nós, ilícitos criminais. O Clube de então acumulou diversas dívidas ao fisco, a fornecedores e a trabalhadores que culminou na sua insolvência. “Falta de paciência”? Talvez. Das entidades que gerem o futebol português que não atuam com a mesma rigidez com outros clubes portugueses em situações idênticas e do Estado português que nunca percebeu a importância que as associações desportivas têm na prossecução de fins de interesse público da sociedade.

Quando as atividades foram encerradas, já havia um movimento para o renascimento ou foi algo decidido algum tempo depois?
Quando o Clube evidenciava a crise – com as sucessivas noticias de atraso nos pagamentos dos vencimentos de seus atletas – um grupo de sócios, onde me incluo, fundou o “Movimento Sempre Tricolores” com o objectivo de questionar a Direção do Clube sobre a real situação financeira. Solicitaram-se Assembleias Gerais para o efeito, tudo com o objectivo de esclarecimento dos sócios e de procurar soluções que permitissem salvar o Clube. Já foi tarde demais. Posteriormente esse grupo de sócios viria a constituir, após a Insolvência do CFEA, o Clube Desportivo Estrela.

O projeto de futebol, relacionado as categorias de formação foram iniciados em 2012, durante esses anos, como foi o passo a passo para reativar a categoria Seniores?
A categoria senior era um desejo nosso, mas necessitávamos de condições para o conseguir. Reunir um conjunto de condições, estruturais e financeiras. Nós mesmos, sem experiência directiva, precisávamos percorrer um caminho que nos preparasse para enfrentar esse desafio e, claro, condições financeiras para sustentar uma equipa senior. O que nunca queríamos fazer, era cair em erros do passado. O Clube tinha de ser capaz de suportar financeiramente essa categoria e felizmente provou-se conseguir. Sem riscos financeiros, sem arrependimentos e cheio de vontade de ir mais além.

Muitos outros clubes das diversas regiões de Portugal também enfrentaram situações financeiras terríveis. No caso do CD Estrela, a nova forma de administrar e fazer o clube evoluir será pautado na administração monetária em primeiro plano?
Sim. O Clube precisa ter capacidade de sustentar toda a sua actividade desportiva. E é uma receita sem qualquer segredo – basta trazer para o clube os ensinamentos que tiramos das nossas vidas pessoais e não entrarmos em loucuras financeiras. Procuramos aumentar as nossas receitas para que ano após ano aumentemos o investimento na actividade desportiva para, no futuro, voltar a ser uma referencia no desporto português.

No caso do Boavista, situado no Norte (Porto), muitos dizem que o clube não desapareceu completamente por causa de sua estrutura física, como o Estádio do Bessa. Já para o CD Estrela, a presença do Estádio José Gomes, também foi vital para acelerar o processo de participação da equipa Seniores nas divisões distritais?
Sem dúvida. Consideramos o Estádio José Gomes “a nossa casa” e contribuiu decisivamente para aumentar a nossa estrutura desportiva até à categoria de seniores, mas com uma enorme diferença em relação ao Boavista.
O Estrela deixou de ser proprietário do Estádio José Gomes. Perdeu-se na Insolvência e faz parte do acervo de bens no referido processo. O Estrela regressou ao Estádio em 2015 e paga, além dos custos com a manutenção do mesmo, uma verba mensal para o Processo de Insolvência para poder utilizá-lo. Quem sabe um dia, quando reunir condições financeiras para tal, possa reconquistar definitivamente este espaço.

Imagem do documentário Reportv – Estrela Renascente, exibido em 25 de Outubro de 2018

Os jogos em casa estão a receber um grande número de adeptos. Apesar das grandes dimensões do clube, o público tem cantado e “jogado conjuntamente”, tal fator causa alguma surpresa na direcção?
Sabíamos que iríamos captar a atenção de um grande número de adeptos. Pessoalmente nem esperava tantos nesta fase, o que nos deixa muito felizes. A cidade viu regressar o seu Clube do coração, as pessoas estavam sedentas deste regresso e tem constituído um apoio precioso para o Clube.

A TV Amadora está exibindo os jogos em casa em directo, estamos falando (com todo respeito) das Divisões Distritais. Certamente que o ambiente ou a atmosfera criada é equivalente aos níveis superiores do país. Onde será a real “luta” do CD Estrela? Nas camadas de cima?
Estamos na ultima divisão distrital, mas o ambiente definitivamente não é de distrital. Julgo mesmo que a atmosfera que rodeia o clube é típico das primeiras ligas nacionais. Ambicionamos lá chegar. Iremos lá chegar. Esse é um dos nossos objectivos.

O número de associados está a crescer. É um sinal de confiança dos adeptos que o clube está no caminho certo?
Sim. O número de associados tem crescido diariamente a um ritmo impressionante, o que nos motiva e, claro, nos responsabiliza ainda mais.

O CD Estrela parece que tem vencido a desconfiança e a mágoa daqueles que viveram um momento triste no passado. No sentido esportivo, há muitos jogadores interessados em defenderem o clube nesse recomeço? Falamos da equipa que revelou Paulo Bento, Dimas, Abel Xavier, Miguel, Jorge Andrade, Calado, Chainho e Paulo Ferreira.
Sempre mantivemos uma óptima relação com todos esses e tantos outros que se formaram no Clube e se tornaram atletas de referência, alguns deles fizeram parte da Seleção Nacional. Acredito que alguns mantenham uma certa mágoa pelo passado, mas não tenho dúvidas que são Tricolores de coração. Temos mantido contactos com alguns deles que certamente nos irão ajudar na nossa caminhada.

Há uma curiosidade interessante. Jorge Jesus e José Mourinho (Preparador Físico) já trabalharam no antigo Estrela da Amadora. Existe essa mística dos bons nomes, também no Staff. É uma forma de incentivo aos funcionários atuais?
O Clube desenvolve uma iniciativa a que damos o nome de “Convidado 5 Estrelas”. Temos alguns videos divulgados no YouTube. O objectivo é, precisamente, trazer o ensinamento de referencias do Estrela da Amadora para junto dos nossos jovens atletas para fomentar essa mística.

Em alguns casos nas divisões Distritais, a agenda de treinamentos é um problema, não é possível treinar todos os dias. Como tem sido os compromissos de treino dos Seniores nesse recomeço?
É sem dúvida um problema. O atletas do Estrela treinam todos num relvado natural, todos no mesmo relvado ao longo da semana. O mesmo relvado onde jogam ao fim de semana. A sobrecarga é muita e a relva sofre com isso. Por isso temos de reduzir as horas de treino na relva e, inclusive no caso dos seniores, utilizar outras instalações para os treinos.

Há alguma estimativa interna de prospecção de tempo para algumas subidas ou o retorno da equipe a Primeira Liga, presidente Rui Silva? Isso será possível?
É possivel sim. É o que ambicionamos. Mas temos consciencia da dificuldade. Mas se há coisa que nos caracteriza é que nunca viramos a cara a uma batalha, por mais dura e longa que seja. Somos persistentes e resistentes. Afinal de contas prosseguimos o sonho de devolver o Estrela aos patamares competitivos onde já jogou. Só não sabemos o tempo que levará. Ainda é muito cedo para fazermos essa estimativa.

Gostaria de deixar alguma mensagem aos adeptos, Presidente Rui Silva?
Que o regresso do Estrela da Amadora é uma realidade mas, como é natural na vida, há-de enfrentar momentos dificeis. Temos conseguido superar mas o apoio nos bons e maus monentos é fundamental para que possamos vencer e manter esta alegria que é ver a tricolor de novo a brilhar.

Siga o clube, Facebook e Site Oficial.

Agradecemos pela oportunidade dessa entrevista histórica com o presidente Rui Silva e fazemos votos de sucesso ao CD Estrela, manifestando o nosso apoio e admiração!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *